Breve Análise do Conto MAIBI de Alberto Rangel

Leia o conto “Maibi” do livro Inferno Verde, de Alberto Rangel. Analise o texto e suas alegorias bem como seu contexto histórico observando os referentes aspectos do Realismo e Naturalismo.
O conto Maibi, de Alberto Rangel, integra o livro Inferno Verde, escrito pelo referido autor em 1908.  O conto faz alusão as atividades sócio-econômicas vigentes na região amazônica no século XX, a saber: o ciclo da borracha. Ciclo que este que teve seu apogeu entre 1890 e 1920, levando cidades como Manaus e Belém a gozarem de tecnologias que algumas cidades do sul e sudeste não possuíam (luz elétrica, bondes, água encanada, esgoto etc.). Toda essa "glória" teve também seu lado "negro": a exploração ambiciosa e desenfreada da Amazônia e o trabalho escravo vivenciado pelos trabalhadores nos seringais.
O texto é rico em figuras de linguagem, a começar pelo título "Maibi", que é uma metáfora para representar a Amazônia. O autor faz uso de recursos linguísticos que embelezam o texto: "A mata pintava-se de um mesmo verde-veroneso; o céu embebia-se de aguada azul da Prússia; as horas escorriam na lentura de um óleo denso, dessangrando por fino sangradouro; o sol rojava-se diariamente pelos seus paços imperiais, num servilismo de escravo". Ele faz uso também de denominações da época peculiares dos seringais, como: "brabos, mateiros, colocação no centro, fregueses do toco, frasco etc.". O conto se encerra com o martírio de Maibi e retoma a alegoria que alude a grande Amazônia. O autor compara a morte da cabocla a um holocausto, o qual representa tantos que padeceram no meio da floresta, dando seu próprio sangue por um sonho inalcançável. Maibi verteu seu sangue até a ultima gota, assim como "sagraram" a Amazônia até as últimas instâncias, motivados por um capital selvagem e desumano. "O martírio de Maibi, com a sua vida a escoar-se nas tigelinhas do seringueiro, seria ainda assim bem menor que o do Amazonas, oferecendo-se em pasto de uma indústria que o esgota".
Os aspectos do Realismo no conto são observados através do perfil dos personagens. A cobiça, a corrupção, a inveja e a exploração do outro, pois o autor tem uma visão objetiva da vida, pondo-se como observador distante, crítico e analítico. Aspectos do Naturalismo também estão presentes. No conto, o homem é apresentado como escravo do seu meio social, que luta pela sobrevivência. Referências a aspectos fisiológicos são características do Naturalismo, bem como às questões sexuais: "As carícias ardentes da moça iriam agora aplicar-se em outro... Nos braços de outro ela se arrebataria em juras e suspiros...".

(Johnatas Silva, aluno do 2° período de Letras da UEA)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resumo da UNIDADE A do livro Fonética e Fonologia do Português Brasileiro

ANÁLISE LITERÁRIA DO POEMA FAZ ESCURO MAS EU CANTO DE THIAGO DE MELLO